quinta-feira, 20 de dezembro de 2012

A LITERATURA INFANTIL


A LITERATURA INFANTIL: ABERTURA PARA A FORMAÇÃO DE UMA NOVA MENTALIDADE



Não é de hoje que temos conhecimento da importância da leitura desde muito na vida de uma criança, pois através dela as crianças desenvolvem sua oralidade e escrita, imaginação, criatividade, ela também estimula o senso crítico, amplia o vocabulário e ortografia, conceitua valores e reflete no adulto que essa criança se tornará. É a partir da leitura que a criança desenvolve a decodificação, posteriormente a interpretação, tornando-se formador de opinião. Enfim, são inúmeros os benefícios que essa atividade proporciona, pois todos concordam da sua importância e necessidade de tornar-se hábito, tais motivos sustentam a relevância da leitura desde muito cedo na vida humana e principalmente, no processo de alfabetização e letramento.
Atualmente as tecnologias do mundo moderno fizeram com que crianças e adolescentes perdessem o interesse por ler e os livros são, assim, esquecidos em estantes empoeiradas. Por isso é papel da escola e do educador resgatar essa prática e formar leitores competentes e atuantes no mundo. Bamberger, disse que “O desenvolvimento de interesses e hábitos permanentes de leitura é um processo constante, que principia no lar, aperfeiçoa-se sistematicamente na escola e continua pela vida afora.”, portanto é na escola que as crianças afloram e desenvolvem essa prática, assim o professor torna-se parte fundamental nesse processo.
Dentro dessa perspectiva, a literatura infantil, apesar de relativamente recente no Brasil, como cita Maria do Rosário Mortatti, é um recurso pedagógico de sentido amplo e deve ter um espaço significativo nas práticas escolares, assim cabe ao educador trazer boas referências para a sala de aula, intermediando o conhecimento dominado e o novo, trazendo as histórias já conhecidas e apresentando novas para que os alunos ampliem suas bibliografias.
Nelly Novaes cita que “A literatura, e em especial a Infantil, tem uma tarefa fundamental a cumprir nesta sociedade em transformação: a de servir como agente de formação, seja no espontâneo convívio leitor/livro, seja no diálogo leitor/texto estimulado pela escola”. Essa mesma autora ressalta que é fundamental a adequação das histórias as faixas etárias e nível de maturidade, respeitando a fase em que a criança encontra-se e oferecendo estímulos para que avance, pois é extremamente relevante que haja uma identificação do conhecimento prévio, daquilo que essas dominam, para que tal atividade seja prazerosa.
É também fundamental frisar que, a literatura é uma arte, portanto um resgate ao lúdico e a fantasia, conceitos que estão interligados ao desenvolvimento e que fazem parte da infância, pois o contato com diferentes histórias facilita o processo de identificação da criança com os conflitos/dificuldades relatados e muitas vezes vivenciados, essas problemáticas existências possibilitam à criança acreditar na possibilidade de vencer os obstáculos impostos pelas naturais dificuldades da vida, fortalecendo a crença em um mundo interno que é capaz de lidar com os mais diversos conteúdos.
É notável que a partir da literatura infantil o educador pode introduzir e ensinar uma infinidade de conteúdos, não só através da história escrita propriamente, mas indo além e aproveitando tudo aquilo que um livro proporciona, como: as ilustrações, os recursos gráficos, os materiais utilizados na fabricação, os mais diversificados estilos, autores... Pois as histórias sejam elas tradicionais ou modernas, como cita Fabiano José Colombo, “são capazes de prender a atenção e abrir portas para o universo mágico e misterioso da leitura”.
Maria do Rosário Mortatti expõe que “a literatura infantil brasileira (...) [surgiu] com a finalidade de ensinar às nossas crianças, de maneira agradável, valores morais e sociais, assim como padrões de conduta (...).” Atualmente, a literatura tem finalidades muito mais amplas, já que a leitura tanto de mundo como da própria palavra que leva o sujeito a ter uma ampla visão do que acontece ao seu redor, fazendo com que ele seja um cidadão ativo na sociedade na qual está inserido. Assim, concordamos que somente através da leitura e da escrita, é que formaremos cidadãos conscientemente críticos na sociedade, em busca de um mundo melhor e não passivos a qualquer influência e ideologia.


REFERÊNCIAS

COELHO, Nelly Novaes. Literatura infantil: Teoria, Análise e Didática. São Paulo, Ed.Moderna, 2000. 
COLOMBO, Fabiano José. A importância do trabalho educativo com ilustrações de livros de literatura infantil. 
MORTATTI, Maria do Rosário Longo. Leitura Crítica da Literatura Infantil. 



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário